Vídeos Imperdiveis

Loading...

quarta-feira, 29 de junho de 2016

A estrela de Davi: O que é?



HEXAGRAMA
O nome correto da estrela de seis pontas (estrela de Davi) é conhecido como  “selo de Salomão”. Sua origem vem de uma religião chamada Bom Po, que lida com o aspecto oculto do budismo. Esse símbolo chegou a Israel através dos viajantes e sábios do oriente. Os cabalistas judeus descobriram o seu grande poder esotérico e começaram a usá-lo.
O hexagrama sempre foi usado para a invocação de espíritos de nível elevado. É interessante observar que Deus em todos os níveis do tabernáculo e do templo nunca usou figuras triangulares. Sempre se observa a figura do quadrado e do retângulo. 
O hexagrama foi imposto por Hitler aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial. Ele sendo um satanista de alto nível preparado pela religião Bom Po quis afrontar a fé judaica e estigmatizá-los. Portanto, o hexagrama é símbolo que liga Israel a morte e a prisão, ao rancor e à dor. 
É importante frisar que na sua forma esotérica, Deus reprova a simbologia.
OBS: Todas as associações maçônicas por exemplo, devem à Cabala seus segredos e símbolos. 
 
Agora cabe perguntar: Por que os líderes de igrejas neopentecostais que adesivam a "estrela de Davi" em suas igrejas e que até mesmo as usam em colares e pingentes não buscaram conhecer a origem da coisa antes de contaminar os crentes desprovidos de informação?


FERREL, Ana Mendez. Os segredos obscuros do G.D.A.U. Editora Valente / Propósito Eterno. Rio de Janeiro; 2011.




Célula e MDA: O que é isso?

Tudo começou com o Padre espanhol chamado José Maria Escrivá de Balaquer.  Nascido no dia 09 de janeiro de 1902 e falecido em Roma no dia 26 de junho de 1975, este sacerdote católico foi o fundador de uma estrutura institucional da igreja católica que se dedicava à atividades pastorais especificas chamada “Opus Dei” do latim “Obra de Deus”. É desta estrutura montada que encontramos a fundamentação também do G12 (grupo dos 12 de César Castellanos). No dia 02 de Outubro de 1928, na festa dos “santos anjos da guarda” durante os dias de um retiro espiritual, muito comum na igreja católica, surge o Opus Dei como um caminho para a "santificação".

    A origem do Opus Dei, aconteceu após a junção de 13 clérigos, com votos do romanismo: Obediência, castidade e pobreza, quando entre eles um acabou saindo e se casando, restando apenas 12 padres, estes acabaram sendo fieis e submissos ao movimento. Estes 12 acabaram se comparando a Cristo e seus 12 apóstolos. 

    O M.D.A. que ficou conhecido a princípio como "Método de Dispiculado Apostólico" e que hoje se conhece por "Meu discipulador Amado" é uma cópia quase que exata de modelos antigos e que foram negados pela igreja, porém agora com uma forma inovadora, uma nova roupagem, e empolgante com floreios e maquiagem que tem enganado a muitos pastores e leigos membros. Alias, estes modelos celulares não eram trabalhados pelas igrejas 25 anos atrás.

    Abe Huber, estudou e passou um tempo com o modelo de célula 5x5 do Reverendo David Yonggi Cho ,( Coreano), estudou o modelo dos Grupos de Interesse, do Dr. Ralph Neighbour Jr., e também estudou o modelo do Governo dos 12, passando um tempo com o Pastor Cesar Castellanos, da Colômbia; ou seja, foi catequisado e possuiu o aprendizado no G12.


OBS: O M.D.A. é somente uma cópia dos Cursilhos da Cristandade - um recrutamento. (criado pela igreja católica)

    Da Espanha a Opus Dei passou à América Latina, aportando-se na fragilíssima e, por isso mesmo, catolicíssima Colômbia, onde encontrou campo fértil. Dominou todo clero e penetrou fundo no mundo leigo. O “G12” até então não era aquele que chegou ao Brasil por volta do ano de 1991, mas um “G12” católico, uma idealização do Padre José María Escrivá. O “G12” evangélico como conhecemos, na verdade é uma junção e adaptação do Opus Dei do sacerdote Escrivá e também na igreja em célula do Evangelho Pleno do Pr. David Young Sho. 

     Em 1961 o Pr. David  (Paul) Yonggi Sho  criou um método revolucionário de crescimento de igreja.  Sho tinha o padrão de célula de 10 fieis, reunido em grupos de cinco, sendo cada célula com um líder, e o conjunto de 5 células ficava ao comando de um supervisor. Eles descobriram o poder de uma igreja em células, mas não somente em células, também outros adereços que serviriam para regimentar ainda mais o trabalho. (marketing multinível)

     Resumindo, o que foi apresentado como modelo celular do G12 evangélico no Brasil, na verdade é uma mistura. Ele aproveitou do que considerava ser melhor entre Cho e Escrivá. Do modelo Cho, Castellanos retirou a “célula”, embasada na família e liderada por um líder subordinado ao supervisor e ao chefe geral. O apóstolo René Terra Nova aprendeu o esquema na Colômbia com a Renovação Carismática Colombiana em 1998, transmitiu os conhecimentos ao Bispo Rodovalho e pouco tempo depois o movimento cresceu rapidamente, haja vista que isso se tornou um grande atrativo a milhares de pastores que tinham um ministério capenga... e precisavam dar um UP!
 
    É nítido para quem já possui um certo contato com a visão MAD, o grande uso das cores. Mas não se trata de um uso indiscriminado. É um uso consciente e com propósitos definidos. Seja no logo, no site ou nas festas de celebração, as cores são sempre nítidas nas bandeiras, camisetas e balões. São elas, o vermelho, o azul, o verde e o amarelo. O que é espantoso no uso destas cores pelo M.D.A é a semelhança com os Cursilhos da Cristandade e do G12. Os Cursilhos, sendo caracterizado pelos retiros, algo originado pelo Opus Dei de Escrivá, primavam por cores e pelos encontros espirituais. A cada novo encontro e com a volta dos que lá estiveram, eram realizados festas, ou a festa das cores. Não somente as cores era algo padrão, mas também a canção que era entoada “Decolores”. Veja o que diz o site do movimento Cursilhos de Cristandade de Curitiba (http://www.cursilhocuritiba.com.br)
De Colores é uma canção de origem espanhola, tradicional e de autoria desconhecida, cuja letra contempla as belezas da natureza e da criação. Desde os primeiros Cursilhos, ainda na Espanha, esta música é cantada nos retiros. (esta é somente uma das várias provas que o MDA é puramente a Opus Dei do século 21)

Diante do pequeno resumo acima, cabe frisar que:

1ª) A igreja evangélica direcionada pelo modelo célula MDA é mais católica do que imagina. Portanto, não tem autoridade, nem direito algum de questionar nenhum dogma católico , seja secular ou não.

2)ª O discipulado, apesar de ter suas raízes na Opus Dei, se faz necessário ao cristão, principalmente ao recém convertido. No entanto, é preciso de alimento exclusivamente bíblico focando o reino dos céus e a salvação da alma. Contudo ressalto: o crescimento da igreja utilizando-se de um marketing multinível como percebido nos últimos 10 anos é totalmente execrável, pois beneficia somente o ego do pastor e as finanças descabidas... enquanto o conhecimento alicerçado na palavra de Deus e na sua verdadeira obra fica esquecido.

3)ª O modelo de célula, tão alastrado pelo Brasil somente beneficia o recém convertido, porém até certo ponto. Isso se dá porque na maioria das igrejas há uma ordem que diz que durante as células a palavra a ser ministrada deve ser a mesma pregada pelo pastor no culto do domingo. Nenhuma outra referência ou outro contexto devem ser citados (de maneira nenhuma). Então, para o recém convertido que em pouco tempo é escalado também pelo líder para pregar a palavra, surge um pequeno aprendizado, visto que ele se encontra na "fase de alimentação de leite materno" e se repetir o que foi dito pelo pastor, acaba se familiarizando com a bíblia. No entanto, se tornar um simples repetidor de informação pode ser o início do suicídio intelectual teológico. 
    O próprio Augusto Curi relata em seu livro (SPA) que a educação no Brasil vai de mal a pior porque de umas décadas para cá o sistema de ensino já não tem mais formado pensadores, mas sim, repetidores de informações. De modo que os alunos não conseguem sequer lembrar da última matéria "estudada" passado uma semana. O mesmo ocorre na célula quando há uma vã repetição do que ensinou o pastor. Isso não favorece ninguém. Assim, o membro não se dá a chance de iniciar pesquisas que trabalham o seu potencial de aprendizado: ele só se alimenta de algo já mastigado por alguém que tem um nível intelectual não tão superior ao dele... Isso é trágico. Durante toda a vida naquela igreja ele será um papagaio que não tem capacidade própria para iniciar um estudo da palavra buscar individualmente a Deus para que lhe dê uma palavra para pregar  em uma ocasião. Desta maneira o ministério não desenvolve jamais! - Fica sempre travado debaixo das rédeas de um pastor que não permite que ninguém consiga aprender ou obter conhecimentos que não sejam aqueles que ele mesmo decidir que pode ou não...
Bom, cabe ponderar que o membro deve respeitar a liderança sem rebeldia, mas aprender e desenvolver o ministério não pode ser uma coisa freada por ninguém.

4)ª Sempre que alguém não corresponde à visão da igreja MDA logo é afastado dos trabalhos. E se manifestar-se contra a visão, é convidado educadamente a se retirar da igreja sob alegação oculta ao círculo da liderança de que pode ser uma ameaça a saúda espiritual do povo de Deus. Isso é o maior absurdo, ou seja, se não estão na visão MDA, mandam-no procurar outro lugar para "infectar"!

5)ª Em praticamente todas igrejas MDA neopentecostais (embora se julguem pentecostais) há uma variedade de mensagens que incitam ódio mesmo que de maneira disfarçada às igrejas tradicionais (assembleias e outras). Eles não suportam o ministério profético típico ao que se manifesta em igrejas pentecostais. Alegam que é tudo carne e que todos estão errados, somente a igreja deles é que está certa. Não creem que alguém pode ser usado na revelação poderosa da parte de Deus.
Bom, é claro que há muita fanfarronice em muitas igrejas pentecostais, principalmente nos casos de revelação, visão e profecia. Mas deve-se salientar que ainda há remanescentes que Deus usa poderosamente. No entanto os adeptos do MDA (liderança) não suportam porque sabem que uma vez visitada a igreja pentecostal, não há mais volta ao neopentecostalismo (a temperatura é outra... É como ir do Alasca ao deserto da Namíbia).

6)ª O conhecimento ainda é precário em muitas igrejas MDA Células. Isso foi explicado no ítem 3.  E quando há a necessidade de pregar sobre um tema um pouco mais complexo surge a tal da "estratégia dada por Deus": Marcar uma escola de profetas ou um seminário pago( 50 a 100 reais!!!!) para ensinar um assunto que caberia perfeitamente em qualquer culto da semana.
    O fato de marcar seminários não é errado de maneira nenhuma, porém desde que seja realmente sobre um assunto voltado para um grupo específico que aprenderão coisas que não deveriam ser explicadas ou expostas durante um culto normal por conta do peso teológico que, certamente um visitante leigo não entenderia bulhufas e nunca mais voltaria... Mas ocorre que marcam por qualquer motivo (R$).

O curioso é que nesses lugares também não se vê o apelo no final do culto para aqueles que querem aceitar voluntariamente a Jesus como salvador de sua vida! Então, Dispõem de um vasto tempo para ensinar MDA, e peculiaridades de células e se esquecem da salvação iminente através da aceitação do sacrifício vivo de Jesus e de sua Graça?

7)ª Os líderes que aderiram ao movimento católico (MDA - células) alegam que agora descobriram o método eficaz de trabalhar o ministério. Deveras! Eles veem que é financeiramente rentável!!!!
Então quer dizer que Deus vendo que estavam errados durante todo tempo quando ainda não adotavam o MDA da  Opus Dei resolveu revelar logo agora depois de décadas de existência? Que palhaçada!

9)ª Sempre usam passagens bíblicas de crescimento espiritual para tentar dar semelhança ao modelo G12, M12 ou qualquer outra porcaria. E conseguem! Sabe por que? Porque não existem ali pessoas com o mínimo de percepção ou conhecimento, já que o modelo de célula engessa o membro dentro na visão minimalista da liderança que também está sob o ensino precário e ultra-limitado de seu "pastor". Com o tempo a mensagem se afixa na mente e só Deus pra tirar aquilo...

10)ª Usam o simbolismo do tal do ato profético: algo criado dentro das igrejas neopentecostais para suplantar o ministério profético manifestado em igrejas tradicionais. ´Trata-se de um verdadeiro teatro onde profetizam o que desejam que aconteça a pessoa alegando ao mesmo tempo que é "mensagem de Deus". Bem diferente de quando Isaías, Ezequiel ou Jeremias profetizavam não é?

11)ª É comum nesse lugares ouvir a expressão: "Sou uma princesa do Senhor". Muito bem, mas deve-se lembrar que uma princesa tem um comportamento exemplar ao falar, andar, se expressar......e não são libertinas que usa essa expressão como precedente para praticar top-lesse junto da pastora da igreja. E em muitos casos ir à igreja representa fazer desfile de maquiagem e roupas chamativas (muitas vezes indecentes). Princesas do senhor não são essas Pitáhs, Atalias e Jezabeis.
     Muitas dessas "princesas" pastoras sobem no púlpito de tomara que caia, com  saia mostrando as coxas e atulhadas de brincos e batom. Nada contra uma vaidadezinha, mas no púlpito e na igreja isso não é necessário! onde está o exemplo bíblico de mulher?

12)ª Não há dúvidas de que os prejuízos são imensos a médio prazo para a igreja de Cristo na Terra. Então cabe a pergunta: Será que o líder irresponsável quando resolver aderir ao movimento não buscou sequer se informar de onde provém tudo antes de lançar sobre os fiéis toda enxurrada da seita obscura chamada Opus Dei?